NELSON ALMEIDA

Natural do Cabo de Santo Agostinho (PE); PhD e mestre em Composição pela Keele University, no Reino Unido; especialista em Música do Século XX (UFPB) e em Fundamentos da Educação (UFPE); e licenciado em Música e em Letras, ambas também pela UFPE. Atualmente é professor do Departamento de Música da UFPE. Obras: Palmares (orquestra), A nau (orquestra), Presépio (quinteto de madeiras), Xilogravuras (berimbau de latas e orquestra de câmara), Visagem (soprano e trio), Vitrais (fagote e orquestra de câmara), O vendedor de pirulitos (orquestra de câmara), Calunga (trio de metais e percussão), Ori (octeto de percussão), Nação (orquestra de cordas), A caça (flauta contralto, cello e cravo), João Teimoso (viola solo), A iara (conjunto de flautas doce e violão), Dança do boi (conjunto de flautas doce e violão), Quaderna (quarteto de cordas).

VICTOR LUIZ

Recifense, Victor Luiz é graduado em Música pela Universidade Federal de Pernambuco e em Estudos Artísticos pela Universidade de Coimbra, Portugal, ao abrigo do Programa de Licenciaturas Internacionais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Estudou Composição e Violino, integrou o Ensemble Barroco Sonoro Ofício, a Orquestra de Câmara da UFPE e a Orquestra Sinfônica da UFPE. Entre suas obras estão, “A lenda do bacurau”, colagem para orquestra sinfônica, “O ballet do Paranãbuku”, suíte para quarteto de cordas, “Marimbau – passagem dos elefantes”, eletroacústica para canto sobre poema de Mário Cezarine, “Vitrais cabalísticos”, para grupo de câmara, e “Nebel”, para violino e piano.

SYRLANE ALBUQUERQUE

Natural do Recife, possui bacharelado em Composição pela Dallas Baptist University (2009) e mestrado em Composição pela Southern Methodist University (2012). Alcançou o primeiro lugar na Voices of Change Young Composers Competition. Em 2013 mudou-se para Nova York, onde ganhou três competições pelo Composer ́s Voice e teve também estréias mundiais na cidade. Suas obras já foram tocadas na Europa, pelo violinista romeno Daniel Mihai, e, em 2016, a Orquestra Criança Cidadã Meninos do Coque, do Recife, estreou mundialmente sua peça chamada 3 movimentos para cordas e percussão. Atualmente a compositora reside em Nova York. Sua técnica combina música erudita com danças e sons do Brasil. A nostalgia, a saudade, o cotidiano, a alegria do brasileiro e a força do nordestino são temas constantes na obra da compositora.

PAULO ARRUDA

Compositor, arranjador e contrabaixista natural do Recife. Estudou com os professores Dierson Torres, Marcos Araújo e Thales Silveira. Foi duas vezes finalista do concurso Tinta Fresca, tendo as peças Cangaço de vida e morte (2012) e Reza (2015) executadas pela Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Foi o vencedor do 1º Concurso Moacir Santos de Composição para Banda Sinfônica, realizado em 2008 pelo Conservatório Pernambucano de Música. Também teve obras executadas pela Orquestra Sinfônica do Recife, Orquestra Sinfônica do CPM, Banda Sinfônica do CPM, Orquestra de Cordas Dedilhadas Retratos do Nordeste e Quarteto Encore.

MAURO MAIBRADA

Violonista, compositor e professor, Mauro Maibrada teve sua formação musical fundamentada em Pernambuco. Estudou, nos anos 1970, nos cursos de extensão em Música da Universidade Federal de Pernambuco onde tornou-se bacharel em Música. Nos anos 80, integrava o Movimento de Novos Compositores de Pernambuco. Já nos Estados Unidos, realizou sua pós-graduação, também em Música, tornando-se mestre. Sua formação em Composição Musical foi orientada por nomes relevantes no cenário musical brasileiro e no exterior: Marlos Nobre, Marisa Rezende, Aylton Escobar e Dan Asia. Maibrada tem suas composições ouvidas em diversos países, graças a sua visão estética e estilo abrangente, os quais ecoam traços de brasilidade, aliados a uma linguagem musical eclética e pessoal.

NILSON LOPES

Natural de Nazaré da Mata (PE), é compositor, arranjador, regente e contrabaixista. Licenciado em Música pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e mestre em Composição pela UFPB, sob a orientação de Eli-Eri Moura, é regente titular da Banda Sinfônica do Centro de Educação Musical de Olinda (Cemo), contrabaixista da Banda Sinfônica da Cidade do Recife, onde exerceu o cargo de arranjador, e foi professor de Harmonia e Arranjo do Conservatório Pernambucano de Música (CPM), tendo alcançado o 1º e 2º lugares do Concurso de Composição Moacir Santos, promovido pelo CPM. Realizou oficinas de arranjo e composição na UFPE, Cemo, Sesc Garanhuns e Escola Técnica Estadual de Criatividade Musical. Teve trabalhos realizados para importantes grupos, como a Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo, na série Jazz Sinfônica + Spok, Orquestra Sinfônica do Recife, Orquestra Sinfônica do CPM, Banda Sinfônica da Cidade do Recife, Spok Frevo Orquestra, Orquestra Criança Cidadã, Orquestra Sinfônica da Paraíba, Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba, Quinteto Violado, entre outros.

RICARDO BRAFMAN

Natural de Londres, Inglaterra. Participou como violinista e violista de grupos que receberam orientação de vários integrantes de quartetos renomados da Inglaterra e Europa, e integrou por três anos a classe de Hans Keller, na Guildhall School of Music. Ao mesmo tempo, desde a adolescência é fascinado pelo rock, MPB e jazz. Para o doutorado em Composição Musical no Goldsmiths College, Universidade de Londres, pesquisou a influência desses estilos — e da música do Nordeste do Brasil — em suas peças. Suas composições foram apresentadas em vários países, inclusive no Spitalfields Festival (Londres). É professor do Departamento de Música da UFPE, onde leciona Violino (Popular), Composição e Percepção Musical.

PAULO LIMA

Nasceu em Garanhuns, em 1955, onde iniciou seus estudos musicais. Em 1973 recebeu bolsa do Conservatório Pernambucano de Música, onde estudou violino. Estudou Harmonia, Contraponto e Composição com Jaime Diniz e Marisa Rezende. Entre 1978 e 1979, atuou como violinista da OSRN, onde conheceu o Dr. Won-Mo Kim, que o convidou para ser seu aluno na Universidade da Geórgia, tendo então estudado Violino, Viola e Composição. Recebe bolsa da CAPES e concluiu em 1988 o mestrado em Composição pela Universidade da Flórida. Em 1994 obtém o título de Doutor em Composição pela mesma Universidade. Desde 1995 é professor de Harmonia e Composição na Universidade Federal de Pernambuco.

IVANUBIS

Natural do Recife, licenciado em música pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), instrumentista, compositor e poeta. Atuou como violista na Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório Pernambucano de Música (CPM) e na Orquestra de Câmara da UFPE Sonoro Ofício em 2012. Atuou também como bandolinista na Orquestra de Cordas Dedilhadas Retratos do Nordeste e no bloco de frevo lírico Eu Quero Mais, de Olinda. Suas obras já foram executadas fora de Pernambuco e em importantes festivais, como o I Festival Internacional de Música Clássica de João Pessoa. É integrante do grupo de compositores pernambucanos ReForma Sonata e lançou em 2014 seu primeiro livro de poesias PsicoPOEISISgrafia do inconsciente ciente.

MATEUS ALVES

Natural do Recife, iniciou sua carreira musical aos 17 anos tocando contrabaixo elétrico em bandas de pop e rock instrumental. Entre 2008 e 2011, integrou a Orquestra Sinfônica Jovem do CPM como contrabaixista acústico. Integrou também, entre 2009 e 2010, a Orquestra Jovem de Pernambuco. Acompanhou músicos renomados, como Egberto Gismonti, Antônio Meneses, João Carlos Martins e Naná Vasconcelos. Em 2010 produziu seu primeiro CD com composições autorais, Mateus Alves – música de câmara e orquestral, com apoio do Funcultura. Em 2011, após se licenciar em Música pela UFPE, iniciou o Mestrado em Composição no Royal College of Music, em Londres, concluído em 2013. Na capital inglesa, também participou de festivais importantes como o London Jazz Festival 2011, como contrabaixista da Royal College of Music Big Band, e teve peças executadas em festivais como o London Festival of Contemporary Church Music 2012. De volta a sua cidade natal em 2013, Mateus passou a compor trilhas sonoras para cinema, sendo premiado em diversas ocasiões por seu trabalho em filmes como Aquarius (2016), de Kleber Mendonça Filho, e Brasil S/A (2014), de Marcelo Pedroso. Atualmente, é professor substituto da UFPE.

NELSON ALMEIDA

Natural do Cabo de Santo Agostinho (PE); PhD e mestre em Composição pela Keele University, no Reino Unido; especialista em Música do Século XX (UFPB) e em Fundamentos da Educação (UFPE); e licenciado em Música e em Letras, ambas também pela UFPE. Atualmente é professor do Departamento de Música da UFPE. Obras: Palmares (orquestra), A nau (orquestra), Presépio (quinteto de madeiras), Xilogravuras (berimbau de latas e orquestra de câmara), Visagem (soprano e trio), Vitrais (fagote e orquestra de câmara), O vendedor de pirulitos (orquestra de câmara), Calunga (trio de metais e percussão), Ori (octeto de percussão), Nação (orquestra de cordas), A caça (flauta contralto, cello e cravo), João Teimoso (viola solo), A iara (conjunto de flautas doce e violão), Dança do boi (conjunto de flautas doce e violão), Quaderna (quarteto de cordas).

VICTOR LUIZ

Recifense, Victor Luiz é graduado em Música pela Universidade Federal de Pernambuco e em Estudos Artísticos pela Universidade de Coimbra, Portugal, ao abrigo do Programa de Licenciaturas Internacionais da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Estudou Composição e Violino, integrou o Ensemble Barroco Sonoro Ofício, a Orquestra de Câmara da UFPE e a Orquestra Sinfônica da UFPE. Entre suas obras estão, “A lenda do bacurau”, colagem para orquestra sinfônica, “O ballet do Paranãbuku”, suíte para quarteto de cordas, “Marimbau – passagem dos elefantes”, eletroacústica para canto sobre poema de Mário Cezarine, “Vitrais cabalísticos”, para grupo de câmara, e “Nebel”, para violino e piano.

SYRLANE ALBUQUERQUE

Natural do Recife, possui bacharelado em Composição pela Dallas Baptist University (2009) e mestrado em Composição pela Southern Methodist University (2012). Alcançou o primeiro lugar na Voices of Change Young Composers Competition. Em 2013 mudou-se para Nova York, onde ganhou três competições pelo Composer ́s Voice e teve também estréias mundiais na cidade. Suas obras já foram tocadas na Europa, pelo violinista romeno Daniel Mihai, e, em 2016, a Orquestra Criança Cidadã Meninos do Coque, do Recife, estreou mundialmente sua peça chamada 3 movimentos para cordas e percussão. Atualmente a compositora reside em Nova York. Sua técnica combina música erudita com danças e sons do Brasil. A nostalgia, a saudade, o cotidiano, a alegria do brasileiro e a força do nordestino são temas constantes na obra da compositora.

PAULO ARRUDA

Compositor, arranjador e contrabaixista natural do Recife. Estudou com os professores Dierson Torres, Marcos Araújo e Thales Silveira. Foi duas vezes finalista do concurso Tinta Fresca, tendo as peças Cangaço de vida e morte (2012) e Reza (2015) executadas pela Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Foi o vencedor do 1º Concurso Moacir Santos de Composição para Banda Sinfônica, realizado em 2008 pelo Conservatório Pernambucano de Música. Também teve obras executadas pela Orquestra Sinfônica do Recife, Orquestra Sinfônica do CPM, Banda Sinfônica do CPM, Orquestra de Cordas Dedilhadas Retratos do Nordeste e Quarteto Encore.

MAURO MAIBRADA

Violonista, compositor e professor, Mauro Maibrada teve sua formação musical fundamentada em Pernambuco. Estudou, nos anos 1970, nos cursos de extensão em Música da Universidade Federal de Pernambuco onde tornou-se bacharel em Música. Nos anos 80, integrava o Movimento de Novos Compositores de Pernambuco. Já nos Estados Unidos, realizou sua pós-graduação, também em Música, tornando-se mestre. Sua formação em Composição Musical foi orientada por nomes relevantes no cenário musical brasileiro e no exterior: Marlos Nobre, Marisa Rezende, Aylton Escobar e Dan Asia. Maibrada tem suas composições ouvidas em diversos países, graças a sua visão estética e estilo abrangente, os quais ecoam traços de brasilidade, aliados a uma linguagem musical eclética e pessoal.

NILSON LOPES

Natural de Nazaré da Mata (PE), é compositor, arranjador, regente e contrabaixista. Licenciado em Música pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e mestre em Composição pela UFPB, sob a orientação de Eli-Eri Moura, é regente titular da Banda Sinfônica do Centro de Educação Musical de Olinda (Cemo), contrabaixista da Banda Sinfônica da Cidade do Recife, onde exerceu o cargo de arranjador, e foi professor de Harmonia e Arranjo do Conservatório Pernambucano de Música (CPM), tendo alcançado o 1º e 2º lugares do Concurso de Composição Moacir Santos, promovido pelo CPM. Realizou oficinas de arranjo e composição na UFPE, Cemo, Sesc Garanhuns e Escola Técnica Estadual de Criatividade Musical. Teve trabalhos realizados para importantes grupos, como a Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo, na série Jazz Sinfônica + Spok, Orquestra Sinfônica do Recife, Orquestra Sinfônica do CPM, Banda Sinfônica da Cidade do Recife, Spok Frevo Orquestra, Orquestra Criança Cidadã, Orquestra Sinfônica da Paraíba, Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba, Quinteto Violado, entre outros.

RICARDO BRAFMAN

Natural de Londres, Inglaterra. Participou como violinista e violista de grupos que receberam orientação de vários integrantes de quartetos renomados da Inglaterra e Europa, e integrou por três anos a classe de Hans Keller, na Guildhall School of Music. Ao mesmo tempo, desde a adolescência é fascinado pelo rock, MPB e jazz. Para o doutorado em Composição Musical no Goldsmiths College, Universidade de Londres, pesquisou a influência desses estilos — e da música do Nordeste do Brasil — em suas peças. Suas composições foram apresentadas em vários países, inclusive no Spitalfields Festival (Londres). É professor do Departamento de Música da UFPE, onde leciona Violino (Popular), Composição e Percepção Musical.

PAULO LIMA

Nasceu em Garanhuns, em 1955, onde iniciou seus estudos musicais. Em 1973 recebeu bolsa do Conservatório Pernambucano de Música, onde estudou violino. Estudou Harmonia, Contraponto e Composição com Jaime Diniz e Marisa Rezende. Entre 1978 e 1979, atuou como violinista da OSRN, onde conheceu o Dr. Won-Mo Kim, que o convidou para ser seu aluno na Universidade da Geórgia, tendo então estudado Violino, Viola e Composição. Recebe bolsa da CAPES e concluiu em 1988 o mestrado em Composição pela Universidade da Flórida. Em 1994 obtém o título de Doutor em Composição pela mesma Universidade. Desde 1995 é professor de Harmonia e Composição na Universidade Federal de Pernambuco.

IVANUBIS

Natural do Recife, licenciado em música pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), instrumentista, compositor e poeta. Atuou como violista na Orquestra Sinfônica Jovem do Conservatório Pernambucano de Música (CPM) e na Orquestra de Câmara da UFPE Sonoro Ofício em 2012. Atuou também como bandolinista na Orquestra de Cordas Dedilhadas Retratos do Nordeste e no bloco de frevo lírico Eu Quero Mais, de Olinda. Suas obras já foram executadas fora de Pernambuco e em importantes festivais, como o I Festival Internacional de Música Clássica de João Pessoa. É integrante do grupo de compositores pernambucanos ReForma Sonata e lançou em 2014 seu primeiro livro de poesias PsicoPOEISISgrafia do inconsciente ciente.

MATEUS ALVES

Natural do Recife, iniciou sua carreira musical aos 17 anos tocando contrabaixo elétrico em bandas de pop e rock instrumental. Entre 2008 e 2011, integrou a Orquestra Sinfônica Jovem do CPM como contrabaixista acústico. Integrou também, entre 2009 e 2010, a Orquestra Jovem de Pernambuco. Acompanhou músicos renomados, como Egberto Gismonti, Antônio Meneses, João Carlos Martins e Naná Vasconcelos. Em 2010 produziu seu primeiro CD com composições autorais, Mateus Alves – música de câmara e orquestral, com apoio do Funcultura. Em 2011, após se licenciar em Música pela UFPE, iniciou o Mestrado em Composição no Royal College of Music, em Londres, concluído em 2013. Na capital inglesa, também participou de festivais importantes como o London Jazz Festival 2011, como contrabaixista da Royal College of Music Big Band, e teve peças executadas em festivais como o London Festival of Contemporary Church Music 2012. De volta a sua cidade natal em 2013, Mateus passou a compor trilhas sonoras para cinema, sendo premiado em diversas ocasiões por seu trabalho em filmes como Aquarius (2016), de Kleber Mendonça Filho, e Brasil S/A (2014), de Marcelo Pedroso. Atualmente, é professor substituto da UFPE.