MUCAMBO é resistência: da morada quilombola, da casa de barro do homem do Sertão às palafitas do homem do mangue, é construção inacabada, contínua e mútua que rodeia a cidade grande; por isso escolhemos o mucambo como símbolo do nosso projeto. Buscamos apresentar, através dessa habitação singela, mas duradoura, uma fotografia da geração contemporânea de compositores pernambucanos, contribuindo com o desenvolvimento da comunidade musical e com o movimento cultural de Pernambuco, com originalidade e ineditismo, além de incentivar uma maior presença de mulheres no campo da composição erudita, já que o índice de compositoras ainda é muito pequeno, até mesmo no cenário internacional.

VICTOR LUIZ
Coordenador geral do Mucambo

Tanto faz que se escreva mucambo com u ou com o: as duas formas são dicionarizadas para se referir a esse tipo de habitação modesta que ainda tanto caracteriza a periferia urbana litorânea do Grande Recife e as pequenas propriedades rurais do semiárido. Mocambo foi o nome do principal selo da saudosa gravadora recifense Rozenblit (1954-1983); Mucambo, o deste projeto, o qual visa, em proporção mais modesta, contribuir para a revelação e projeção de compositores de primeira linha da música clássica pernambucana. Cada composição neste álbum é um mucambo que finca suas palafitas e trabalha a taipa para ocupar seu lugar na construção da nova paisagem sonora de Pernambuco.

CARLOS EDUARDO AMARAL
Jornalista e crítico musical