COMPOSITORES

Natural do Recife, Laís de Assis é graduada em Música pela UFPE e mestre em Etnomusicologia pela UFPB. Iniciou sua formação musical no Conservatório Pernambucano de Música, onde se formou em Violão Popular e, posteriormente, em Viola de Dez Cordas. Em seu universo composicional permeia a linguagem da viola nordestina traduzida em diversas formações instrumentais, propondo o diálogo com elementos que passeiam pelos gêneros da música tradicional nordestina. Em 2016, foi selecionada no festival Sonora Ciclo Internacional de Compositoras, que ocorreu no Recife. Em 2018, esteve entre os oito instrumentistas indicados ao Prêmio Mimo de Música Instrumental.

Natural de Londres, Inglaterra. Participou como violinista e violista de grupos que receberam orientação de vários integrantes de quartetos renomados da Inglaterra e Europa, e integrou por três anos a classe de Hans Keller, na Guildhall School of Music. Ao mesmo tempo, desde a adolescência é fascinado pelo rock, MPB e jazz. Para o doutorado em Composição Musical no Goldsmiths College, Universidade de Londres, pesquisou a influência desses estilos – e da música do Nordeste do Brasil – em suas peças. Suas composições foram apresentadas em vários países, inclusive no Spitalfields Festival (Londres). Em 2018, teve sua obra "Ponte dos ecos" gravada pelo Projeto Mucambo. É professor do Departamento de Música da UFPE, onde leciona Violino (Popular), Composição e Percepção Musical.

Natural do Recife, compositor, arranjador e multi-instrumentista. Vencedor do I Festival do Frevo da Humanidade. Sua música tem influência principalmente da de Hermeto Pascoal, Steve Coleman e Arrigo Barnabé, passeando por entre o regionalismo, o jazz contemporâneo e o atonalismo. Atuou como arranjador e instrumentista com diversos artistas, como Guilherme Kastrup, Gabriel Grossi, Maciel Melo, Fafá de Belém, Di Melo, Spok Frevo Orquestra, Elza Soares, Elba Ramalho e Orquestra Contemporânea de Olinda. Recebeu o título de maestro da nova geração do frevo, no programa “Carnaval de Pernambuco”, da Rede Globo Nordeste. Atualmente, cursa a licenciatura em Música no Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).

Natural de Jaboatão dos Guararapes. Licenciado em música pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e especialista em Metodologia do Ensino de Música pelo Instituto Brasileiro de Pesquisa e Extensão (IBPEX). Produtor, compositor e saxofonista de formação mista, iniciou os estudos de Música no clarinete no ano de 1985, na extinta banda do Serviço Social da Indústria (Sesi), na cidade de Moreno (PE). Estudou Composição com a obra de Nelson Almeida, Paulo Lima, Eli-Eri Moura e Marcílio Onofre. Atualmente, é professor de Saxofone no Conservatório Pernambucano de Música.

Compositor e poeta pernambucano, Armando Lôbo desenvolve gêneros e estilos musicais diversos, com o uso de matizes experimentais e simbiose intensa com a literatura, filosofia e religião. Lançou quatro álbuns, que receberam cotação máxima da imprensa especializada. Contemplado em importantes concursos nacionais e internacionais, Armando é o único artista a vencer os principais prêmios brasileiros tanto na música popular como na música de concerto, o que prova seu ecletismo e abertura a linguagens diversas. Suas peças têm sido executadas por importantes grupos no Brasil, Europa e Estados Unidos. Lôbo é Ph.D. em Composição Musical pela Universidade de Edimburgo (Reino Unido).

Natural de Recife, é graduado em Música pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e em Estudos Artísticos pela Universidade de Coimbra, Portugal. Estudou Composição e Violino, integrou o Ensemble Barroco Sonoro Ofício, a Orquestra de Câmara da UFPE e a Orquestra Sinfônica da UFPE. É coidealizador e coordenador geral do projeto Mucambo. Entre suas obras estão: A lenda do bacurau, colagem para orquestra sinfônica; O ballet do Paranãbuku, suíte para quarteto de cordas; Marimbau – passagem dos elefantes, eletroacústica para canto sobre poema de Mário Cezarine; Vitrais cabalísticos, para grupo de câmara; Nebel, para violino e piano, e Kairós: minióperas do tempo oportuno, tetralogia de minióperas incentivadas pelo Fundo de Incentivo a Cultura de Pernambuco - Funcultura.

É jornalista, crítico musical, pesquisador e compositor, com peças gravadas pelo Grupo de Percussão da UFBA e pelo Projeto Mucambo. Como pesquisador e crítico, foi agraciado com prêmios da Fundação Nacional de Artes (Funarte), do Ministério da Cultura e da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), e publicou cinco livros-reportagem sobre compositores de frevo pela Cepe Editora. Como jornalista, atuou nos festivais Mimo e Virtuosi, escreve para a revista Continente e coordena a assessoria de comunicação da Orquestra Criança Cidadã e do Projeto Mucambo.

Natural do Cabo de Santo Agostinho; PhD e mestre em Composição pela Keele University, no Reino Unido; especialista em Música do Século XX pela UFPB e em Fundamentos da Educação pela UFPE, onde se graduou em Música e em Letras. Atualmente, é professor de Composição do Departamento de Música desta universidade. Em seu portfólio há obras solo, orquestrais, e para grupo de câmara, incluindo instrumentação alternativa, como Xilogravuras, escrita para berimbau de latas e orquestra de câmara. Suas obras e arranjos foram executados no Brasil e no exterior, com destaque para Ori (octeto de percussão) e Dança do cavalo marinho (consorte de flautas).

Compositor, arranjador e contrabaixista natural do Recife. Estudou com os professores Dierson Torres, Marcos Araújo e Thales Silveira. Foi duas vezes finalista do concurso Tinta Fresca, tendo as peças Cangaço de vida e morte (2012) e Reza (2015) executadas pela Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Foi o vencedor do 1º Concurso Moacir Santos de Composição para Banda Sinfônica, realizado em 2008 pelo Conservatório Pernambucano de Música. Também teve obras executadas pela Orquestra Sinfônica do Recife, Orquestra Sinfônica do CPM, Banda Sinfônica do CPM, Orquestra de Cordas Dedilhadas Retratos do Nordeste e Quarteto Encore.

Graduado em música pela UFPE. Atuou como professor nas Fundações AIO de Assistência Social, Fonte Cultural, Oásis e Nossa Voz em Ação. Foi assessor parlamentar da Assembleia Legislativa de Pernambuco, na área da cultura. Participou de várias gravações como instrumentista, arranjador e produtor, tais como em CDs de Márcia Fernández, Nazinha, Grupo Griô (Funcultura), Filhos de Deus, além de performances em palco (Festival de Inverno de Garanhuns, pastoril com a Banda Sinfônica da Prefeitura de Recife, Orquestra de Cordas da Secretaria de Educação e Cultura de Recife). Atualmente, é Professor de Música da rede estadual do ensino de Rio Grande do Norte.